Total de visualizações de página

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

A soberania de Deus na salvação


Pr. Hernandes Dias Lopes

Como pode um homem sendo pecador ser salvo? Como pode um injusto ser declarado justo aos olhos do Deus santo? Como pode o homem tão vulnerável ter garantia de salvação? Paulo responde a essas questões quando escreve sua carta aos romanos. Vamos, tratar aqui de cinco afirmações categóricas que nos afirmam a soberania de Deus na salvação.

Em primeiro lugar, Deus nos conheceu desde a eternidade (Rm 8.29). Deus nos conheceu de antemão. Ele nos amou desde toda a eternidade. Amou-nos não porque viu algo em nós que despertasse seu amor, mas amou-nos incondicionalmente. Antes do sol brilhar no horizonte, Deus já havia colocado em nós seu coração. Antes dos mundos estalares virem à existência, nós já estávamos no coração de Deus. Seu amor por nós é eterno, incomensurável e incondicional.

Em segundo lugar, Deus nos predestinou para a salvação (Rm 8.30). Deus nos predestinou em Cristo, para a salvação, antes da fundação do mundo, desde o princípio, pela santificação do Espírito e fé na verdade, a fim de sermos santos e irrepreensíveis perante ele. Deus não nos escolheu porque previu que iríamos crer em Cristo; cremos em Cristo porque ele nos escolheu. A escolha divina é a causa da fé e não sua consequência. Deus não nos escolheu porque viu em nós santidade; fomos eleitos para sermos santos e irrepreensíveis e não porque éramos santos e irrepreensíveis. A santidade não é a causa da eleição, mas seu resultado. Deus não nos escolheu porque viu em nós boas obras; somos feitura dele, criados em Cristo Jesus, para as boas obras, e não porque praticávamos boas obras. As boas obras são fruto da escolha divina e não sua raiz.

Em terceiro lugar, Deus nos chamou eficazmente (Rm 8.30). Todos aqueles que são escolhidos por Deus na eternidade, por quem Cristo morreu no calvário, são chamados à salvação, e chamados eficazmente. O homem pode até resistir temporariamente a esse chamado, mas não finalmente. Jesus disse que ninguém pode vir a ele se o Pai não o trouxer. Disse, também, que suas ovelhas ouvem sua voz e o seguem. Os que Deus predestina, Deus chama. Há dois tipos de chamados: um externo e outro interno; um dirigido aos ouvidos e outro ao coração. Aqueles que são predestinados, ao ouvirem a voz do bom pastor, atendem-na e o seguem.

Em quarto lugar, Deus nos justificou por sua graça (Rm 8.30). Aqueles que são amados, escolhidos e chamados são também justificados. A justificação é uma obra de Deus por nós e não em nós; é um ato e não um processo. É uma declaração forense feita diante do tribunal de Deus e não uma infusão da graça. É completa e irrepetível. Por isso, não possui graus. O menor crente está tão justificado quanto o indivíduo mais piedoso. Pela obra substitutiva e vicária de Cristo na cruz somos declarados quites com as demandas da lei de Deus. Não pesa sobre nós mais nenhuma condenação. Nossos pecados passados, presentes e futuros já foram julgados na pessoa de Cristo, nosso substituto e fiador. Nossos pecados foram colocados na conta de Cristo e a justiça de Cristo foi colocada em nossa conta. Estamos quites com todas as demandas da justiça divina.


Em quinto lugar, Deus nos glorificou pelo seu poder (Rm 8.30). Embora a glorificação seja um fato futuro, que se dará na segunda vinda de Cristo, na mente e nos decretos de Deus já é um fato consumado. Mesmo que o caminho seja estreito e juncado de espinhos. Mesmo que os inimigos nos espreitem e toda a fúria de Satanás seja despejada contra nós, nada nem ninguém, neste mundo ou mesmo no porvir poderá nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus nosso Senhor. Nossa salvação foi planejada, executada, aplicada e assegurada por Deus. A Deus, portanto, a glória, agora e sempre por tão grande salvação!

Fonte: www.hernandesdiaslopes.com.br

terça-feira, 21 de novembro de 2017

ESBOÇO DE SERMÃO TÓPICO BASEADO EM JOÃO 18.33-38

TEXTO: JOÃO 18.33-38
33 Tornou Pilatos a entrar no pretório, chamou Jesus e perguntou-lhe: És tu o rei dos judeus? 34 Respondeu Jesus: Vem de ti mesmo esta pergunta ou to disseram outros a meu respeito? 35 Replicou Pilatos: Porventura, sou judeu? A tua própria gente e os principais sacerdotes é que te entregaram a mim. Que fizeste? 36 Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui. 37 Então, lhe disse Pilatos: Logo, tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. 38 Perguntou-lhe Pilatos: Que é a verdade? Tendo dito isto, voltou aos judeus e lhes disse: Eu não acho nele crime algum”.

INTRODUÇÃO

O site significados.com.br traz um conceito sobre verdade dizendo que

Verdade significa aquilo que está intimamente ligado a tudo que é sincero, que é verdadeiro, é a ausência da mentira. Verdade é também a afirmação do que é correto, do que é seguramente o certo e está dentro da realidade apresentada. A verdade é muitas vezes desacreditada e o ceticismo é a descrença ou incredulidade da verdade. Aquele indivíduo que tem predisposição constante para duvidar da verdade é chamado de cético (O que é a verdade. Extraído de: https://www.significados.com.br/verdade/)

Esta passagem trata da prisão de Jesus e seu julgamento. Pilatos, cremos que por ironia, pergunta se ele é o rei dos judeus (v.33), Jesus sabia que aquela pergunta não vinha dele, mas os judeus haviam o acusado falsamente de se declarar rei (v.34). Cristo afirma que seu reino não seria daqui, por isso não seria defendido por humanos (v.36), Pilatos novamente pergunta, certamente com ironia, se ele era um rei, Jesus diz que era Pilatos que estava afirmando (v.37). Jesus então fala que veio dar testemunho da verdade, Pilatos faz uma pergunta que nos deixa pensativos: “Que é a verdade?”, esta pergunta ecoa nos nossos ouvidos até o dia de hoje, pois as pessoas estão confusas, sem rumo, sem direção, sem saber para onde estão indo, estão querendo que não existe verdade absoluta, mas para o cristão existe uma verdade absoluta extraída da Escritura Sagrada manifesta na pessoa de Jesus, mas quer saber o que é a verdade? Preste atenção que iremos extrair algumas lições sobre a verdade, tendo como base o tema abaixo.

TEMA: VOCÊ SABE O QUE É A VERDADE?

1.        A VERDADE É O QUE DIZ A ESCRITURA.

1.1     A Escrituras foi escrita para nos instruir. Lc 1.1-4
1 Visto que muitos houve que empreenderam uma narração coordenada dos fatos que entre nós se realizaram, 2 conforme nos transmitiram os que desde o princípio foram deles testemunhas oculares e ministros da palavra, 3 igualmente a mim me pareceu bem, depois de acurada investigação de tudo desde sua origem, dar-te por escrito, excelentíssimo Teófilo, uma exposição em ordem, 4 para que tenhas plena certeza das verdades em que foste instruído”.

1.2     A Escritura foi escrita para nos apresentar Jesus. Jo 5.39
39 Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim”.

1.3     A Escritura foi escrita para nos ensinar, erram os que não a observam. Mt 22.29
29 Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus”.

1.4     A Escritura foi escrita para nos ajudar a vivermos em santidade. Jo 17.17
17 Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade”.

2.        A VERDADE É A PESSOA DE JESUS CRISTO.  

2.1     Ele é a verdade do Pai. Jo 14.6
6 Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”.

2.2     Ele é a verdade que liberta. Jo 8.32,36
32 e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. 36 Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.

2.3     Ele nos ensina o caminho da verdade. I Tm 2.4
4 o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.

3.        A VERDADE É O QUE NÓS DEVEMOS SEGUIR

3.1     Nós não devemos lutar contra a verdade, mas a favor da verdade. II Co 13.8
8 Porque nada podemos contra a verdade, senão em favor da própria verdade”.

3.2     Nós devemos obedecer à verdade. Gl 5.7
7 Vós corríeis bem; quem vos impediu de continuardes a obedecer à verdade?”

3.3     Nós devemos viver a verdade em amor. Ef 4.15
15 Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo”.

3.4     Nós devemos manejar bem a Palavra da verdade. II Tm 2.15
15 Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.

3.5     Nós fomos gerados pela Palavra da Verdade. Tg 1.18
18 Pois, segundo o seu querer, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como que primícias das suas criaturas”.

3.6     Nós precisamos falar a verdade sobre Cristo. Rm 9.1
1 Digo a verdade em Cristo, não minto, testemunhando comigo, no Espírito Santo, a minha própria consciência”.

CONCLUSÃO

A mensagem tratou baseada na pergunta feita a Jesus: “O que é a verdade?”, vimos que a verdade é a Escrituras, chegamos a conhecer esta verdade por meio de Jesus, mas precisamos seguir a Jesus. Você tem feito isto? Voce já conhece a verdade das Escrituras? Já conhece a verdade sobre Jesus? Já segue a verdade? Saiba que para morar no céu você precisa seguir esta verdade, você precisa entregar a tua vida a Cristo, recebe-lo como teu Único e Suficiente Senhor e Salvador. Voce deseja fazer isto agora?

AUTOR: Veronilton Paz da Silva

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

REFLEXÃO BÍBLICA


Salmo 42.1-2
1 Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando irei e me verei perante a face de Deus?”

Você está com sede? Deseja saciar-se?

Um menino chegou à uma casa, após uma longa caminhada em busca das cabras do pai. Chegando ali perto em uma casa falou: “Por favor! Tenho sede! Um pouco de água por favor!” Uma senhora gentil ofereceu aquela água retirada do pote e ele sorveu aquele líquido precioso tornando-se revigorado.

Davi estava pensando sobre a ânsia de um animal chamado corça em busca de uma fonte de água refrescante onde mataria sua sede e refrigeraria o seu corpo por causa do calor. Ele reflete que a nossa alma tem uma sede intensa não de uma água física, mas espiritual que satisfaz a alma, sobre isto podemos depreender algumas lições irrefragáveis para o nosso coração.

Primeira, quem deseja saciar-se em Deus, sua alma precisa suspirar por Deus: 1 Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma (v.1), suspirar é ter paixão, amor desmedido, querer viver para agradar Deus, buscar agradar a Ele, se preciso for morrer pelo Senhor, por isso Paulo diz que o viver é Cristo e o morrer é lucro (Fp 1.21), ele estava disposto a morrer para não negar a sua fé.

Saciar-se em Deus é viver com tanta paixão por Ele a ponto de suspirar por Ele. Quando um casal de namorados estão apaixonados, eles suspiram de paixão, eles ocupam sua mente um com o outro, o crente deve ocupar sua mente com Deus, precisamos viver para agradá-lo, ter o coração ardendo quando fala em Jesus, ter sua alma aquecida quando busca ao Senhor. Você tem suspirado pelo Senhor?

Segundo, quem deseja saciar-se em Deus, sua alma precisa ter sede de Deus: A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo (v.2a), dizia o teólogo Santo Agostinho que o homem possui um vazio do tamanho de Deus e que só Deus pode preencher este vazio, devido a isto o homem anda em vários lugares em busca de paz, vive nos bares, bordéis, drogas, outros buscam satisfazer-se nas coisas materiais, vários estão em busca de religiões diversas, porém, a solução para este vazio não está em ninguém mais, somente em Jesus, ele mesmo disse: 37 [...] Se alguém tem sede, venha a mim e beba. 38 Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva (Jo 7.37-38), venha à fonte das águas vivas que podem matar a sede da tua alma e te dá satisfação eterna.

Ele é a fonte, nós sedentos pecadores quando vamos até Ele com sinceridade de coração, Ele não nos lança fora, pelo contrário, Ele nos acolhe (Jo 6.37), busque nesta fonte que nunca seca, a agua (satisfação) que Ele nos dá nunca se acaba (Jo 4.14). Sua alma está aflita? Jesus é a solução, Ele satisfaz a sua alma!

Terceira, quem deseja saciar-se em Deus precisa ter um encontro com Deus: “[...] quando irei e me verei perante a face de Deus?” (v.2b), o ser humano nascido sob o domínio do pecado, é totalmente incapaz de levantar-se por si só, precisou que Deus viesse até Ele, Jesus se fez homem e veio habitar entre nós (Jo 1.14), o pecado formou uma parede de separação entre o homem e Deus (Is 59.1-2), sendo assim não haveria nenhuma possibilidade dele encontrar-se com Deus a mesmo que Deus viesse ao seu encontro.

 Podemos ver isto exemplificado no pastor que foi ao encontro da ovelha perdida e não desistiu até que a encontrou (Lc 15.3-7), da mulher que perdeu a moeda e não ate recuperar seu dinheiro perdido (Lc 15.8-10), por isto que o apostolo João afirmou que Deus enviou o seu Filho como salvador do mundo (I Jo 4.14), não foi você que buscou a Deus, Ele veio ao teu encontro. O salmista disse que sua alma almejava o Senhor mais do que os guardas pelo amanhecer (Sl 130.6), se você está com o coração ansioso pelo Senhor, saiba que Ele vem ao teu encontro e não te lança fora!

Para Concluir dizemos que da forma como Davi suspirou, teve sede e desejou a presença do Senhor, nós precisamos entender que somente Deus é que pode nos satisfazer, da forma como Ele encheu o coração de Davi, também enche o nosso, como tornou Davi feliz, também nos fará, do modo como deu a salvação ao seu servo, também nos dá. Creia e se lance na fonte de águas vivas, Jesus Cristo.


Autor: Missº Veronilton Paz

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

ESBOÇO DE SERMÃO BASEADO EM JOÃO 4.46-54

Veredas da Justiça: Sermões que Edificam

TEXTO: JOÃO 4.46-54
46 Dirigiu-se, de novo, a Caná da Galiléia, onde da água fizera vinho. Ora, havia um oficial do rei, cujo filho estava doente em Cafarnaum. 47 Tendo ouvido dizer que Jesus viera da Judéia para a Galiléia, foi ter com ele e lhe rogou que descesse para curar seu filho, que estava à morte. 48 Então, Jesus lhe disse: Se, porventura, não virdes sinais e prodígios, de modo nenhum crereis. 49 Rogou-lhe o oficial: Senhor, desce, antes que meu filho morra. 50 Vai, disse-lhe Jesus; teu filho vive. O homem creu na palavra de Jesus e partiu. 51 Já ele descia, quando os seus servos lhe vieram ao encontro, anunciando-lhe que o seu filho vivia. 52 Então, indagou deles a que hora o seu filho se sentira melhor. Informaram: Ontem, à hora sétima a febre o deixou. 53 Com isto, reconheceu o pai ser aquela precisamente a hora em que Jesus lhe dissera: Teu filho vive; e creu ele e toda a sua casa. 54 Foi este o segundo sinal que fez Jesus, depois de vir da Judéia para a Galiléia”.

INTRODUÇÃO
A Bíblia se resume a falar de Jesus Cristo, no Velho Testamento havia a promessa da vinda do Messias, no Novo Testamento há o cumprimento da vinda do Messias e todos esperamos a sua segunda vinda na qual Ele restaurará todas as coisas ao seu estado orginal, Jesus é o principal conteúdo deste livro Sagrado. Esta passagem fala que Jesus retorna a Caná da Galiléia onde transformara agua em vinho (v.46), encontra um homem com um filho doente à beira da morte (v.47), Jesus sabia que aquele precisaria ver algo acontecer para crê (v.48), o homem clamou que ele fosse lá para fazer seu filho voltar á vida (v.49), Jesus declarou a cura do filho do oficial e ele creu antes de ver a cura, aconteceu conforme a Palavra de Jesus e seu Filho foi curado (v.50-53). Esta mensagem concluiu com a salvação daquela família, Jesus nos ensina algumas lições muito preciosas aqui neste texto, que iremos refletir a partir do tema abaixo.

TEMA: LIÇÕES QUE APRENDEMOS NA CURA DO FILHO DO OFICIAL ROMANO

1.       JESUS SE SERVE DE MEIOS DIVERSOS PARA REALIZAR A SUA VONTADE. V.47-47a

1.1    Ele usou uma falta de vinho para que ali manifestasse a sua glória. V.46a
46 Dirigiu-se, de novo, a Caná da Galiléia, onde da água fizera vinho [...]”

1.2    Ele usou uma enfermidade para que seu poder fosse apresentado as pessoas. V.46b
“[...] Ora, havia um oficial do rei, cujo filho estava doente em Cafarnaum”.

1.3    Ele usou homens para divulgar o seu nome e as suas maravilhas. V.47a
47 Tendo ouvido dizer que Jesus viera da Judéia para a Galiléia [...]”

2.       JESUS É O ÚNICO QUE PODE AJUDAR O SER HUMANO NAS SUAS NECESSIDADES. V.47b, 49, 50b-53

2.1    O homem precisa buscar solução onde pode achar, ou seja , na pessoa de Jesus. V.47b

a.       Indo até Jesus achará a solução certa.
“[...] foi ter com ele [...]

b.       Clamando a Jesus receberá a resposta exata.
“[...] e lhe rogou que descesse para curar seu filho, que estava à morte”.

c.       Tendo perseverança na busca alcançará a vitória buscada. V.49
49 Rogou-lhe o oficial: Senhor, desce, antes que meu filho morra”.

2.2    O Homem precisa crê na fonte onde está buscando solução, ou seja, na pessoa de Jesus. V.50b-53
“[...] O homem creu na palavra de Jesus e partiu. 51 Já ele descia, quando os seus servos lhe vieram ao encontro, anunciando-lhe que o seu filho vivia. 52 Então, indagou deles a que hora o seu filho se sentira melhor. Informaram: Ontem, à hora sétima a febre o deixou. 53 Com isto, reconheceu o pai ser aquela precisamente a hora em que Jesus lhe dissera: Teu filho vive; e creu ele e toda a sua casa”.

a.       Precisa crê antes de ver e não ver para crer. V.50b
“[...] O homem creu na palavra de Jesus e partiu”.

b.       Precisa crê que as suas vitórias vem do Senhor. V.51-53b
51 Já ele descia, quando os seus servos lhe vieram ao encontro, anunciando-lhe que o seu filho vivia. 52 Então, indagou deles a que hora o seu filho se sentira melhor. Informaram: Ontem, à hora sétima a febre o deixou. 53 Com isto, reconheceu o pai ser aquela precisamente a hora em que Jesus lhe dissera: Teu filho vive [...]”.

c.       Precisa crê e proclamar esta crença para os seus familiares. V.53c
“[...] e creu ele e toda a sua casa”.

3.       JESUS CONHECE O CORAÇÃO DO SER HUMANO POR COMPLETO. V.48
48 Então, Jesus lhe disse: Se, porventura, não virdes sinais e prodígios, de modo nenhum crereis”.

3.1    Jesus conhece as fraquezas do nosso coração e Ele nos faz fortes. II Co 12.9-10
9 Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo. 10 Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.

3.2    Jesus conhece os nossos pecados ocultos do nosso coração, mas Ele nos perdoa. Sl 19.12
12 Quem há que possa discernir as próprias faltas? Absolve-me das que me são ocultas”.

3.3    Jesus conhece os nossos temores do nosso coração, mas Ele nos faz corajosos. II Cr 20.1-17
1 Depois disto, os filhos de Moabe e os filhos de Amom, com alguns dos meunitas, vieram à peleja contra Josafá. 2 Então, vieram alguns que avisaram a Josafá, dizendo: Grande multidão vem contra ti dalém do mar e da Síria; eis que já estão em Hazazom-Tamar, que é En-Gedi. 3 Então, Josafá teve medo e se pôs a buscar ao SENHOR; e apregoou jejum em todo o Judá. 4 Judá se congregou para pedir socorro ao SENHOR; também de todas as cidades de Judá veio gente para buscar ao SENHOR. 5 Pôs-se Josafá em pé, na congregação de Judá e de Jerusalém, na Casa do SENHOR, diante do pátio novo, 6 e disse: Ah! SENHOR, Deus de nossos pais, porventura, não és tu Deus nos céus? Não és tu que dominas sobre todos os reinos dos povos? Na tua mão, está a força e o poder, e não há quem te possa resistir. 7 Porventura, ó nosso Deus, não lançaste fora os moradores desta terra de diante do teu povo de Israel e não a deste para sempre à posteridade de Abraão, teu amigo? 8 Habitaram nela e nela edificaram um santuário ao teu nome, dizendo: 9 Se algum mal nos sobrevier, espada por castigo, peste ou fome, nós nos apresentaremos diante desta casa e diante de ti, pois o teu nome está nesta casa; e clamaremos a ti na nossa angústia, e tu nos ouvirás e livrarás. 10 Agora, pois, eis que os filhos de Amom e de Moabe e os do monte Seir, cujas terras não permitiste a Israel invadir, quando vinham da terra do Egito, mas deles se desviaram e não os destruíram, 11 eis que nos dão o pago, vindo para lançar-nos fora da tua possessão, que nos deste em herança. 12 Ah! Nosso Deus, acaso, não executarás tu o teu julgamento contra eles? Porque em nós não há força para resistirmos a essa grande multidão que vem contra nós, e não sabemos nós o que fazer; porém os nossos olhos estão postos em ti. 13 Todo o Judá estava em pé diante do SENHOR, como também as suas crianças, as suas mulheres e os seus filhos. 14 Então, veio o Espírito do SENHOR no meio da congregação, sobre Jaaziel, filho de Zacarias, filho de Benaia, filho de Jeiel, filho de Matanias, levita, dos filhos de Asafe, 15 e disse: Dai ouvidos, todo o Judá e vós, moradores de Jerusalém, e tu, ó rei Josafá, ao que vos diz o SENHOR. Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão, pois a peleja não é vossa, mas de Deus. 16 Amanhã, descereis contra eles; eis que sobem pela ladeira de Ziz; encontrá-los-eis no fim do vale, defronte do deserto de Jeruel. 17 Neste encontro, não tereis de pelejar; tomai posição, ficai parados e vede o salvamento que o SENHOR vos dará, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos assusteis; amanhã, saí-lhes ao encontro, porque o SENHOR é convosco”.

CONCLUSÃO
Esta mensagem que extraímos desta passagem de João 4.46-54 trouxe algumas lições reflexivas para a nossa vida, as quais foram assim enunciadas: Primeira, Jesus se serve de meios diversos para realizar a sua vontade:  Usando uma falta de vinho para que ali manifestasse a sua glória, uma enfermidade para que seu poder fosse apresentado as pessoas e homens para divulgar o seu nome e as suas maravilhas. Segunda, Jesus é o único que pode ajudar o ser humano nas suas necessidades: O homem precisa buscar solução onde pode achar, crê na fonte onde está buscando solução, crê antes de ver e não ver para crer, crê que as suas vitórias vem do Senhor, crê e proclamar esta crença para os seus familiares, ele só encontrar solução na pessoa de Jesus. Terceira,  Jesus conhece o coração do ser humano por completo: Jesus conhece as fraquezas do nosso coração e Ele nos faz fortes, conhece os nossos pecados ocultos do nosso coração, mas Ele nos perdoa, conhece os nossos temores do nosso coração, mas Ele nos faz corajosos. Aplicação: Você já teve um encontro com Jesus, já é um instrumento nas mãos Dele?  Em quem você deposita a sua confiança nas horas de necessidades? Você sabia que o que você faz em oculto o Senhor sabe? O convite que fazemos é que você deposite a sua vida nas mãos de Jesus. Ele tem todo o poder e pode mudar toda a tua vida ainda hoje, faça isto agora! Em nome de Jesus!

AUTOR: Missº Veronilton Paz da Silva

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

ESBOÇO DE SERMÃO TÓPICO BASEADO EM I REIS 14.15-16

TEXTO: I REIS 14.15-16
15 Também o SENHOR ferirá a Israel para que se agite como a cana se agita nas águas; arrancará a Israel desta boa terra que dera a seus pais e o espalhará para além do Eufrates, porquanto fez os seus postes-ídolos, provocando o SENHOR à ira. 16 Abandonará a Israel por causa dos pecados que Jeroboão cometeu e pelos que fez Israel cometer”.

INTRODUÇÃO
Há uma expressão intitulada “abandonar o barco”, ela faz parte dos ditados populares que significa “deixar pra lá, desistir, pular fora”, é usada quando uma pessoa deixa de lado alguma coisa para seguir outra ou porque cansou de esperar mudança ou porque por questão de justiça precisa dar uma lição em alguém, como por exemplo na frase:  A mãe decidiu abandonar o barco, uma vez que o filho não muda de comportamento, ela quis lhe dá uma lição. O texto de escolhido trata de Jeroboão, filho de Nebate e Zerua, serviu a Salomão como um dos chefes,  mas se rebelou e reinou sobre as dez tribos que não aceitaram Roboão, filho de Salomão, reinar sobre eles. Construiu dois bezerros de outro e instigou o povo à idolatria, por isso o Senhor os abandonou aos seus pecados, não iremos falar sobre estes aspectos da monarquia de Israel, iremos tratar sobre o verbo abandonar ao longo das Escrituras, extraindo algumas lições para nossas vidas, isto será feito a partir do tema abaixo.

TEMA: LIÇOES EXTRAÍDAS SOBRE O VERBO ABANDONAR A PARTIR DAS ESCRITURAS

1.        DEUS FOI ABANDONADO PELO HOMEM. Dt 28.20
20 O SENHOR mandará sobre ti a maldição, a confusão e a ameaça em tudo quanto empreenderes, até que sejas destruído e repentinamente pereças, por causa da maldade das tuas obras, com que me abandonaste”.

1.1     O homem que abandona a Deus é um louco. Dt 32.15
15 Mas, engordando-se o meu amado, deu coices; engordou-se, engrossou-se, ficou nédio e abandonou a Deus, que o fez, desprezou a Rocha da sua salvação”.

1.2     O homem que abandona a Deus se esquece da sua Lei. Sl 119.53
53 De mim se apoderou a indignação, por causa dos pecadores que abandonaram a tua lei”.

1.3     O Homem que abandona a Deus rejeita a repreensão Dele. Pv 3.11-12
11 Filho meu, não rejeites a disciplina do SENHOR, nem te enfades da sua repreensão. 12 Porque o SENHOR repreende a quem ama, assim como o pai, ao filho a quem quer bem”.

2.        DEUS ABANDONA AQUELES QUE SE ESQUECEM DELE. II Rs 21.13-15
13 Estenderei sobre Jerusalém o cordel de Samaria e o prumo da casa de Acabe; eliminarei Jerusalém, como quem elimina a sujeira de um prato, elimina-a e o emborca. 14 Abandonarei o resto da minha herança, entregá-lo-ei nas mãos de seus inimigos; servirá de presa e despojo para todos os seus inimigos. 15 Porquanto fizeram o que era mau perante mim e me provocaram à ira, desde o dia em que seus pais saíram do Egito até ao dia de hoje”.

2.1     Quem se esquece de Deus é entregue aos seus pecados. Rm 1.24
24 Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si”.

2.2     Quem se esquece de Deus será lançado no inferno. Sl 9.17
17 Os perversos serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus”.

2.3     Quem se esquece de Deus será esquecido lá no céu. Mt 10.32-33
32 Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus; 33 mas aquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai, que está nos céus”.

3.        DEUS NÃO ABANDONA AQUELES QUE SE APROXIMA DELE. Hb 13.5
5 Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei”.

3.1     Todos aqueles que vão até o Senhor, Ele não os abandona. Jo 6.37
37 Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora”.

3.2     Todos aqueles que vão até o Senhor recebem misericórdia e ajuda. Hb 4.14-16
14 Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão. 15 Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. 16 Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna”.

3.3     Todos aqueles que vão até o Senhor encontram a Vida eterna. I Jo 5.11-13
11 E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está no seu Filho. 12 Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida. 13 Estas coisas vos escrevi, a fim de saberdes que tendes a vida eterna, a vós outros que credes em o nome do Filho de Deus”.

CONCLUSÃO
Tratamos nesta mensagem sobre o verbo abandonar ao longo das Escrituras, examinamos que: Primeiro, Deus foi abandonado pelo homem: O homem que abandona a deus é um louco, se esquece da sua lei e rejeita a repreensão dele. Segunda, Deus abandona aqueles que se esquecem Dele: Quem se esquece de deus é entregue aos seus pecados, será lançado no inferno, será esquecido lá no céu. Terceira, Deus não abandona aqueles que se aproxima Dele: Todos aqueles que vão até o senhor, ele não os abandona, recebem misericórdia e ajuda, encontram a vida eterna. Como você tem vivido? Você vive com Cristo ou tem o abandonado? Saiba que todo aquele que abandona Cristo não terá lugar no céu, mas tem uma passagem comprada para o inferno, e todo aquele que se aproxima Dele recebe misericórdia e vida eterna. Você só tem duas opções: Ou você recebe a Jesus ou você o abandona, e recebe as consequências. Qual a sua decisão?


AUTOR: Missº Veronilton Paz da Silva

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

ESBOÇO DE SERMÃO TÓPICO BASEADO EM LUCAS 24.47

TEXTO: LUCAS 24.36-53
36 Falavam ainda estas coisas quando Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: Paz seja convosco! 37 Eles, porém, surpresos e atemorizados, acreditavam estarem vendo um espírito. 38 Mas ele lhes disse: Por que estais perturbados? E por que sobem dúvidas ao vosso coração? 39 Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e verificai, porque um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho. 40 Dizendo isto, mostrou-lhes as mãos e os pés. 41 E, por não acreditarem eles ainda, por causa da alegria, e estando admirados, Jesus lhes disse: Tendes aqui alguma coisa que comer? 42 Então, lhe apresentaram um pedaço de peixe assado [e um favo de mel]. 43 E ele comeu na presença deles. 44 A seguir, Jesus lhes disse: São estas as palavras que eu vos falei, estando ainda convosco: importava se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos. 45 Então, lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras; 46 e lhes disse: Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia 47 e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém. 48 Vós sois testemunhas destas coisas. 49 Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai; permanecei, pois, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder. 50 Então, os levou para Betânia e, erguendo as mãos, os abençoou. 51 Aconteceu que, enquanto os abençoava, ia-se retirando deles, sendo elevado para o céu. 52 Então, eles, adorando-o, voltaram para Jerusalém, tomados de grande júbilo; 53 e estavam sempre no templo, louvando a Deus”.

INTRODUÇÃO
Arrependimento é uma mudança radical de mente e vontade. Esta passagem trata sobre uma das aparições de Cristo depois da ressurreição, podemos examinar que Ele veio estar com aqueles discípulos medrosos que haviam o abandonado, agora ele lhes saúda com a paz (v.36), eles duvidaram do que estavam vendo pensando estarem vendo um espirito (v.37), Jesus acaba com a duvida deles, pois além da prova audiovisual, eles puderam tocar nele e ver que era ele mesmo com carne e osso (v.38-39), depois para encerrar de vez as duvidas comeu com eles (v.41-43), sanadas as duvidas, agora chega a hora de ensinar a eles, Jesus como um bom pedagogo iniciou relembrando tudo que lhes tinha ensinado: 1. Ele falou tudo que as Escrituras haviam dito sobre Ele, sua morte, e ressurreição (v.44), abriu o seu entendimento para entender (v.45-48), reafirma a sua promessa de revestimento de poder pelo Espirito Santo (v.49), depois disto Ele os abençoou e subiu (v.50-51), após isso eles passaram a cumprir a missão que Cristo os ordenou: 1. Eles o adoraram (v.52a), eles foram tomados de jubilo (alegria inexplicável), e louvavam ao Senhor no templo. Tudo isto daria uma mensagem muito maravilhosa sobre a ressurreição de Cristo e a vida cristã, porém, queremos fazer um recorte no v.47 que diz: “47 e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém”, baseado neste faremos uma reflexão sobre o tema arrependimento, isto faremos extraindo algumas lições do tema abaixo.

TEMA: VERDADES SOBRE O ARREPENDIMENTO

1.        O ARREPENDIMENTO É CONCEDIDO POR DEUS AO HOMEM. Rm 2.4
4 Ou desprezas a riqueza da sua bondade, e tolerância, e longanimidade, ignorando que a bondade de Deus é que te conduz ao arrependimento?”

1.1     Deus concede arrependimento aos judeus. At 5.31
31 Deus, porém, com a sua destra, o exaltou a Príncipe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento e a remissão de pecados”.

1.2     Deus concede arrependimento aos gentios. At 11.18
18 E, ouvindo eles estas coisas, apaziguaram-se e glorificaram a Deus, dizendo: Logo, também aos gentios foi por Deus concedido o arrependimento para vida”.

1.3     Deus concede arrependimento para a salvação. II Co 7.9-10
9 agora, me alegro não porque fostes contristados, mas porque fostes contristados para arrependimento; pois fostes contristados segundo Deus, para que, de nossa parte, nenhum dano sofrêsseis. 10 Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento para a salvação, que a ninguém traz pesar; mas a tristeza do mundo produz morte”.

2.        O ARREPENDIMENTO É A PORTA DE ENTRADA NO REINO DE DEUS. Mt 3.1-2
1 Naqueles dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judéia e dizia: 2 Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus”.

2.1     O arrependimento é uma necessidade urgente do ser humano. At 17.30-31
30 Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam; 31 porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos”.

2.2     O arrependimento é uma exigência de Deus para o ser humano. Mc 1.15
15 dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho”.

2.3     O arrependimento é uma realidade unicamente em Jesus para o ser humano. Lc 24.47
47 e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém”.

3.        O ARREPENDIMENTO É VISTO POR MEIO DE UMA VIDA DE FRUTOS. Lc 3.8
8 Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento e não comeceis a dizer entre vós mesmos: Temos por pai a Abraão; porque eu vos afirmo que destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão”.

3.1     A nossa vida de frutos deve acontecer com relação a Deus. Rm 7.4
4 Assim, meus irmãos, também vós morrestes relativamente à lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerdes a outro, a saber, aquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que frutifiquemos para Deus”.

3.2     A nossa vida de frutos deve acontecer com relação a nós mesmos. Rm 6.20-22
20 Porque, quando éreis escravos do pecado, estáveis isentos em relação à justiça. 21 Naquele tempo, que resultados colhestes? Somente as coisas de que, agora, vos envergonhais; porque o fim delas é morte. 22 Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna”.

3.3     A nossa vida de frutos deve acontecer com relação ao próximo. Gl 5.22-23
22 Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, 23 mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.

CONCLUSÃO
A presente mensagem tratou sobre o arrependimento vimos que o arrependimento é: Primeiro, Concedido por Deus: Aos judeus, gentios e para a salvação. Segundo, a porta de entrada no reino de Deus: Necessidade urgente, exigência de Deus e uma realidade unicamente em Jesus para o ser humano, e. Terceiro, visto por meio de uma vida de frutos: Com relação a Deus, a nós mesmos e ao próximo. Aplicação: Você já se arrependeu verdadeiramente? Se você já fez isso, preciso viver uma vida de frutos, se você ainda não fez, precisa fazer isto agora.

ORAÇÃO

“Senhor Deus! Reconheço que sou um pecador, que Jesus morreu por mim naquela cruz. Sei que o Senhor não se agrada do pecado, mas está disposto a perdoar aquele que se arrependeu dos seus pecados, assim sendo, eu me arrependo dos meus pecados, te peço que o Senhor aceite este pecador, te peço que venhas morar em meu coração para sempre. Tudo isto te peço em Nome de Jesus!

domingo, 17 de setembro de 2017

ESBOÇO DE SERMÃO BASEADO EM JOÃO 6.1-71

TEXTO: JOÃO 6.1-71

INTRODUÇAO
Quando as pessoas se encontram pela primeira vez, normal é que elas se apresentem que elas se conheçam, isto é uma apresentação publica. Donald W. Kaller comentando sobre este evangelho disse que este capitulo tem um acontecimento que é a multiplicação dos pães, foi dado um nome a Jesus que é “O Pão da Vida”, ele veio para os homens para dá vida ao mundo (v.33), Jesus convida os homens para experimentarem Ele (v.35), Ele ressuscitará os homens que crêem (v.39), neste capitulo o titulo é “Jesus e os homens”, Ele se apresentou publicamente aqueles homens, iremos trabalhar algumas anotações deste capitulo tendo como base o tema abaixo.
TEMA: JESUS SE APRESENTA AOS HOMENS PUBLICAMENTE

1.       JESUS E OS HOMENS NA MULTIPLICAÇÃO DOS PÃES. V.1-15

1.1    O milagre é o maior incentivo para quem é materialista. V.1-2, 14-15

a)       Alguns homens só querem Jesus desde que lhes sirva para o que é material. V.1-2
1 Depois destas coisas, atravessou Jesus o mar da Galiléia, que é o de Tiberíades. 2 Seguia-o numerosa multidão, porque tinham visto os sinais que ele fazia na cura dos enfermos”.

b)       Alguns homens só reconhecem quem é Jesus quando seus olhos contemplam algo. V.14
14 Vendo, pois, os homens o sinal que Jesus fizera, disseram: Este é, verdadeiramente, o profeta que devia vir ao mundo.

c)       Alguns homens querem que Cristo reine sobre eles de maneira física, mas Cristo não veio para reinar de maneira física, mas espiritual. V.15
15 Sabendo, pois, Jesus que estavam para vir com o intuito de arrebatá-lo para o proclamarem rei, retirou-se novamente, sozinho, para o monte.

1.2    O milagre é uma oportunidade para os verdadeiros crentes terem sua fé experimenta. V.3-7

a)       Cristo prepara o espirito dos seus discípulos estando a sós com eles. V.3-4
3 Então, subiu Jesus ao monte e assentou-se ali com os seus discípulos. 4 Ora, a Páscoa, festa dos judeus, estava próxima.

b)       Cristo apresenta uma equação impossível pela matemática humana, que só a matemática da fé resolveria. V.5,7
5 Então, Jesus, erguendo os olhos e vendo que grande multidão vinha ter com ele, disse a Filipe: Onde compraremos pães para lhes dar a comer? 7 Respondeu-lhe Filipe: Não lhes bastariam duzentos denários de pão, para receber cada um o seu pedaço.

c)       Cristo já sabia o tamanho do milagre que faria. V.6
6 Mas dizia isto para o experimentar; porque ele bem sabia o que estava para fazer.

1.3    O milagre é o lugar de uma impossibilidade dá lugar a uma maravilhosa operação de Deus. V.8-13

a)       O milagre de Cristo nos ensina que Ele não preciso de muito, usa o homem com o pouco que Ele tem na mão. V.8-9
8 Um de seus discípulos, chamado André, irmão de Simão Pedro, informou a Jesus: 9 Está aí um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos; mas isto que é para tanta gente?

b)       O milagre de Cristo nos que ensina que Ele requer obediência e descanso Nele. V.10
10 Disse Jesus: Fazei o povo assentar-se; pois havia naquele lugar muita relva. Assentaram-se, pois, os homens em número de quase cinco mil.

c)       O milagre de Cristo nos ensina que Ele nos dá o suficiente para a nossa vida. V.11-13
11 Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quanto queriam. 12 E, quando já estavam fartos, disse Jesus aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca. 13 Assim, pois, o fizeram e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobraram aos que haviam comido.

2.       JESUS E OS HOMENS NA TEMPESTADE DO MAR. V.16-21

2.1    Jesus ensina nesta passagem que passamos por tempestades na vida. V.16-18
16 Ao descambar o dia, os seus discípulos desceram para o mar. 17 E, tomando um barco, passaram para o outro lado, rumo a Cafarnaum. Já se fazia escuro, e Jesus ainda não viera ter com eles. 18 E o mar começava a empolar-se, agitado por vento rijo que soprava.

a)       As tempestades acontecem na nossa vida, muitas vezes por obedecermos a voz do Senhor. Mc 4.35
35 Naquele dia, sendo já tarde, disse-lhes Jesus: Passemos para a outra margem.

b)       As tempestades acontecem na nossa vida de forma repentina. Mt 8.24a
24 E eis que sobreveio no mar uma grande tempestade, de sorte que o barco era varrido pelas ondas.

c)       As tempestades acontecem na nossa vida de forma assustadora. Mt 8.24b
[...] de sorte que o barco era varrido pelas ondas.

2.2    Jesus ensina que Ele vem ao nosso encontro durante a tempestade. V.19-20
19 Tendo navegado uns vinte e cinco a trinta estádios, eis que viram Jesus andando por sobre o mar, aproximando-se do barco; e ficaram possuídos de temor. 20 Mas Jesus lhes disse: Sou eu. Não temais!

a)       Jesus vem ao nosso encontro, durante a tempestade, na quarta vigília da noite para mostrar que ele não cumpre a agenda humana, mas a sua agenda soberana. Mc 6.48
48 E, vendo-os em dificuldade a remar, porque o vento lhes era contrário, por volta da quarta vigília da noite, veio ter com eles, andando por sobre o mar; e queria tomar-lhes a dianteira.

b)       Jesus vem ao nosso encontro, durante a tempestade, andando sobre o mar para mostrar que os nossos problemas podem ser grandes para nós, mas eles estão literalmente debaixo dos pés de Jesus. V.19
19 Tendo navegado uns vinte e cinco a trinta estádios, eis que viram Jesus andando por sobre o mar, aproximando-se do barco; e ficaram possuídos de temor.

c)       Jesus veem ao nosso encontro, durante a tempestade, para que aprendamos a confiar Nele, mesmo que os ventos e o mar estejam bravios. V.20
20 Mas Jesus lhes disse: Sou eu. Não temais!

2.3    Jesus ensina que o crente deve ter uma reação de fé durante a tempestade. V.21
21 Então, eles, de bom grado, o receberam, e logo o barco chegou ao seu destino.

a)       Durante a tempestade devemos clamar por socorro para a pessoa certa que é Jesus. Mt 8.23-25
23 Então, entrando ele no barco, seus discípulos o seguiram. 24 E eis que sobreveio no mar uma grande tempestade, de sorte que o barco era varrido pelas ondas. Entretanto, Jesus dormia. 25 Mas os discípulos vieram acordá-lo, clamando: Senhor, salva-nos! Perecemos!

b)       Durante a tempestade devemos receber no nosso barco a pessoa certa que é Jesus. V.21a
21 Então, eles, de bom grado, o receberam [...]

c)       Durante a tempestade devemos entender que se tivermos a pessoa certa, chegaremos no destino certo que é o céu. V.21b
[...] e logo o barco chegou ao seu destino.

3.       JESUS E OS HOMENS NO ALIMENTO PARA A VIDA ESPIRITUAL. V.22-59

3.1    A busca do alimento para a vida espiritual. V.22-30

a)       Os homens podem buscar a Jesus, mas da forma errada, apenas pelas bênçãos. V.22-26
22 No dia seguinte, a multidão que ficara do outro lado do mar notou que ali não havia senão um pequeno barco e que Jesus não embarcara nele com seus discípulos, tendo estes partido sós. 23 Entretanto, outros barquinhos chegaram de Tiberíades, perto do lugar onde comeram o pão, tendo o Senhor dado graças. 24 Quando, pois, viu a multidão que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, tomaram os barcos e partiram para Cafarnaum à sua procura. 25 E, tendo-o encontrado no outro lado do mar, lhe perguntaram: Mestre, quando chegaste aqui? 26 Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes.

b)       Os homens podem buscar a Jesus, tendo o desafio de buscar entre o que é temporal ou eterno. V..27
27 Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará; porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo.

c)       Os homens podem buscar a Jesus pelas obras religiosas ou pela fé Nele. V.28-30
28 Dirigiram-se, pois, a ele, perguntando: Que faremos para realizar as obras de Deus? 29 Respondeu-lhes Jesus: A obra de Deus é esta: que creiais naquele que por ele foi enviado. 30 Então, lhe disseram eles: Que sinal fazes para que o vejamos e creiamos em ti? Quais são os teus feitos?

3.2    A fonte do alimento para a vida espiritual. V.31-40

a)       A fonte do alimento para a vida espiritual é Deus. V.31-32
31 Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer pão do céu. 32 Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: não foi Moisés quem vos deu o pão do céu; o verdadeiro pão do céu é meu Pai quem vos dá.

b)       A fonte do alimento para a vida espiritual é Deus por meio de Jesus. V.33-37

§  Ele desceu do céu. v.33a
33 Porque o pão de Deus é o que desce do céu [...]

§  Ele dá vida ao mundo. V.33b
[...] e dá vida ao mundo.

§  Ele deve ser desejado. V.34
34 Então, lhe disseram: Senhor, dá-nos sempre desse pão.

§  Ele satisfaz a alma. V.35
35 Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede.

§  Ele vem de forma definitiva e irrevogável. V.36-37
36 Porém eu já vos disse que, embora me tenhais visto, não credes. 37 Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora.

c)       A fonte do alimento para a vida espiritual é Deus, ele tem um proposito. V.38-40
38 Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou. 39 E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia. 40 De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.

§  O proposito é realizar a sua vontade que é soberana. V.38
38 Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou.

§  O proposito é salvar pecadores graciosamente. V.39-40

- Aqueles que Cristo salva, nenhum perece. V.39
39 E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia.

- Aqueles que Cristo salva são os que creem Nele. V.40b
40 De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna [...]

- Aqueles que Cristo salva ressuscitarão para vivver com Ele. V.40b
[...] e eu o ressuscitarei no último dia.

3.3    A Compreensão sobre o alimento para a vida espiritual. V.41-59

a)       O alimento espiritual não é compreendido pelo homem natural. V.41-45

§  Eles vêem tudo de maneira carnal. V.41-42
41 Murmuravam, pois, dele os judeus, porque dissera: Eu sou o pão que desceu do céu. 42 E diziam: Não é este Jesus, o filho de José? Acaso, não lhe conhecemos o pai e a mãe? Como, pois, agora diz: Desci do céu?

§  Eles somente compreenderão se o próprio de Deus colocar o ensino no seu coração. V.43-45
43 Respondeu-lhes Jesus: Não murmureis entre vós. 44 Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia. 45 Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto, todo aquele que da parte do Pai tem ouvido e aprendido, esse vem a mim.

b)       O alimento espiritual foi trazido do céu por Jesus. V.46-51

§  Ele trouxe o alimento espiritual porque Ele veio de Deus. V.46
46 Não que alguém tenha visto o Pai, salvo aquele que vem de Deus; este o tem visto.

§  Ele trouxe o alimento espiritual para que todo o que o experimentar tenha a vida eterna. V.47-51
47 Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim tem a vida eterna. 48 Eu sou o pão da vida. 49 Vossos pais comeram o maná no deserto e morreram. 50 Este é o pão que desce do céu, para que todo o que dele comer não pereça. 51 Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne.

c)       O alimento espiritual é simbolizado externamente na Ceia do Senhor. V.52-59

§  A Ceia do Senhor simboliza o corpo e sangue de Cristo. V.52-53
52 Disputavam, pois, os judeus entre si, dizendo: Como pode este dar-nos a comer a sua própria carne? 53 Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tendes vida em vós mesmos.

§  A Ceia do Senhor simboliza de maneira externa uma graça interna e salvadora. V.54-58
54 Quem comer a minha carne e beber o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. 55 Pois a minha carne é verdadeira comida, e o meu sangue é verdadeira bebida. 56 Quem comer a minha carne e beber o meu sangue permanece em mim, e eu, nele. 57 Assim como o Pai, que vive, me enviou, e igualmente eu vivo pelo Pai, também quem de mim se alimenta por mim viverá. 58 Este é o pão que desceu do céu, em nada semelhante àquele que os vossos pais comeram e, contudo, morreram; quem comer este pão viverá eternamente.

§  A Ceia do Senhor simboliza a presença real de Cristo e faz parte do culto público. V.59
59 Estas coisas disse Jesus, quando ensinava na sinagoga de Cafarnaum.

4.       JESUS E OS HOMENS NA HORA DE VER QUEM O SERVE E QUEM NÃO SERVE. V.60-71

4.1    Alguns homens não estão dispostos a servir a Jesus. V.60-64, 65

a)       Eles não querem ouvir um sermão que confronte o seu pecado. V.60
60 Muitos dos seus discípulos, tendo ouvido tais palavras, disseram: Duro é este discurso; quem o pode ouvir?

b)       Eles se escandalizam (envergonham) do evangelho. V.61-62
61 Mas Jesus, sabendo por si mesmo que eles murmuravam a respeito de suas palavras, interpelou-os: Isto vos escandaliza? 62 Que será, pois, se virdes o Filho do Homem subir para o lugar onde primeiro estava?

c)       Eles só se preocupam com as coisas da carne. V.63
63 O espírito é o que vivifica; a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida.

d)       Eles são descrentes para com o Senhor Jesus. V.64
64 Contudo, há descrentes entre vós. Pois Jesus sabia, desde o princípio, quais eram os que não criam e quem o havia de trair.

e)       Eles abandonam a fé que outrora professaram. V.66
66 À vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com ele.

f)         Eles são do diabo, estão no meio para prejudicar a obra. V.70-71
70 Replicou-lhes Jesus: Não vos escolhi eu em número de doze? Contudo, um de vós é diabo. 71 Referia-se ele a Judas, filho de Simão Iscariotes; porque era quem estava para traí-lo, sendo um dos doze.

4.2    Alguns homens estão dispostos a servir a Jesus. V.65, 67-69

a)       Estes foram tocados graciosamente pelo próprio Deus, que os trouxe a Cristo. V.65
65 E prosseguiu: Por causa disto, é que vos tenho dito: ninguém poderá vir a mim, se, pelo Pai, não lhe for concedido.

b)       Estes são desafiados a tomar uma posição de servir ou não a Cristo. V.67
67 Então, perguntou Jesus aos doze: Porventura, quereis também vós outros retirar-vos?

c)       Estes homens têm em Cristo a única solução para as suas vidas. V.68-69

§  Reconhecem que Não há outra pessoa a quem possam recorrer. V.68a
68 Respondeu-lhe Simão Pedro: Senhor, para quem iremos? [...]”

§  Reconhecem que não outra pessoa que os possa salvar. V.68b
“[...] Tu tens as palavras da vida eterna”.

§  Reconhecem a necessidade que têm de crê e conhecer a Jesus. V.69
69 e nós temos crido e conhecido que tu és o Santo de Deus.

CONCLUSÃO
Esta mensagem tratou sobre a apresentação publica de Jesus aos homens, tratamos aqui as seguintes questões:  Primeira, Jesus e os homens na multiplicação dos pães: O milagre é o maior incentivo para quem é materialista, é uma oportunidade para os verdadeiros crentes terem sua fé experimenta, é o lugar de uma impossibilidade dá lugar a uma maravilhosa operação de Deus. Segunda, Jesus e os homens na tempestade do mar: Jesus ensina nesta passagem que passamos por tempestades na vida, que Ele vem ao nosso encontro durante a tempestade, que o crente deve ter uma reação de fé durante a tempestade. Terceira, Jesus e os homens no alimento para a vida espiritual: A busca, a fonte, A Compreensão sobre o alimento para a vida espiritual. Quarta, Jesus e os homens na hora de ver quem o serve e quem não serve: Alguns homens não estão dispostos a servir a Jesus: Eles não querem ouvir um sermão que confronte o seu pecado, se escandalizam (envergonham) do evangelho, só se preocupam com as coisas da carne, são descrentes para com o Senhor Jesus, abandonam a fé que outrora professaram, são do diabo, estão no meio para prejudicar a obra. Alguns homens estão dispostos a servir a Jesus: Estes foram tocados graciosamente pelo próprio Deus, que os trouxe a Cristo, são desafiados a tomar uma posição de servir ou não a Cristo, têm em Cristo a única solução para as suas vidas: Reconhecem que Não há outra pessoa a quem possam recorrer, que não outra pessoa que os possa salvar, a necessidade que têm de crê e conhecer a Jesus. Desafio: Depois de explanar esta apresentação pública de Jesus aos homens queremos aplicar de maneira especial o ultimo ponto com uma pergunta: “Você serve a Cristo ou não? Se a sua resposta for negativa, gostaríamos de fazer outra pergunta: Gostaria de servir a Cristo a partir deste instante? Se sua resposta é afirmativa, queremos convidar você para que convide Jesus para guiar a sua vida, para ajudar você, para que ele venha a moldar todo o teu ser, faça isto agora, em Nome de Jesus! Amém!


Autor: Missº Veronilton Paz da Silva.